5 de outubro de 2016

A minha história com idosos

Eu não conheci os meus avôs. Minhas avós morreram enquanto eu ainda era nova, então não tive a oportunidade de conviver com um idoso no meu “dia a dia”.
Mas aí, seja através do destino ou uma “mera coincidência”, no primeiro ano da minha faculdade de Educação Física na UFPR, eu caí de pára quedas em um projeto de atividades físicas e sócio culturais para pessoas com mais de 50 anos, o “Projeto Sem Fronteiras”.
Meus amigos, muito mais desenvoltos do que eu, tiraram de letra as primeiras aulas e atividades que tinham que ministrar para os idosos. Eu, um pouco mais tímida e insegura, na época, passei por alguns frios na barriga e tremores na fala, até conseguir perceber que estava exatamente onde e com quem deveria estar.

Dona Adelina
Depois de um ano no projeto, mas ainda com conhecimentos muito rasos, um grande amigo me pediu que desse aula de personal trainer para a avó de sua esposa, de 80 anos, a Dona Adelina, que andava muito parada e desanimada…
Resolvi aceitar o desafio! E mal sabia eu o que o destino me preparara. Com ela aprendi a base de tudo que sei hoje… Descobri que o idoso pode sim se beneficiar de uma atividade física regular, mas que os benefícios são muito maiores quando adicionamos carinho, atenção e convivência. Com ela fiquei oito anos seguidos, entre aulas, cinemas, lanches de aniversários e até caronas ao mercado! Agradeço a ela – de onde quer que ela esteja me vendo hoje – por tudo que aprendi ao seu lado.

O Projeto Viva Mais
Minha mãe – e grande parceira – e eu tivemos uma brilhante ideia, de abrir um centro multidisciplinar de lazer para idosos. Seria lindo, se não fosse tão caro… Portanto, partimos para nosso plano B, o Projeto Viva Mais.
A ideia seria juntar idosos em um mesmo horário de aula para promover, além da atividade física, a convivência.
E como fazer isso? Facilitando o acesso deles a essas atividades ou, indo até eles – Viva Condomínio, ou levando-os ao local de atividade – Viva Parque.
Tive, nesse projeto, a ajuda de uma grande amiga minha também formada em Educação Física, a Eliza Donha, a quem sou muito grata pelos anos de trabalho juntas.

O Espaço Vivere Bene
Depois disso, em 2013, surge a oportunidade – mais uma vez graças a minha mãe, sócia, inspiração, parceira, etc… – de abrir o nosso tão sonhado espaço de atividades para terceira idade.
O primeiro obstáculo: achar um imóvel adequado. Uma casa térrea, cujo aluguel não fosse tão caro (rsrs), com pelo menos dois banheiros, uma sala ampla, sem escadas e desníveis…. ufa! Próximo passo: deixar essa casa com a nossa “cara”! Mais um pouco de investimento e dedicação…
E eis que, em 08 julho de 2013, em pleno inverno curitibano – um dos mais rigorosos dos último anos – abrem-se as portas da Vivere Bene – atividades para terceira idade.

De lá para cá, minha vida profissional se resume a dedicar 100% do meu tempo de trabalho em fazer deste um espaço agradável, para idosos que queiram se distrair com qualidade de atendimento, com profissionais dedicados e competentes, facilitando seu acesso às atividades através do nosso transporte exclusivo.

Essa é a minha história, em homenagem ao mês dos idosos, que são as pessoas que dão a razão de ser ao meu trabalho e dedicação!

Escrito por Alessandra Nunes Lanzoni Privado – Idealizadora e sócia-proprietária da Vivere Bene – atividades para terceira idade; professora de educação física graduada na UFPR; pós-graduada em Gestão de Negócios pelo IBMEC e apaixonada pelo que faz (:

Veja outros posts

23 de outubro de 2018

O idoso do século XXI

Quem não lembra daquela vovozinha, lá pelos anos 80, com seus sessenta e poucos anos, de coque escovado no cabelo, saia abaixo do joelho, fazendo tricô no sofá ou indo …

12 de junho de 2017

Santo Antônio

Santo Antônio de Lisboa é um dos santos honrados nas popularíssimas Festas Juninas e diversos costumes folclóricos estão ligados a ele. A título de exemplo, no Brasil moças casadoiras retiram …

23 de fevereiro de 2015

Oficina Literária

Com o passar dos anos, acumulamos experiências e vivências que merecem ser compartilhadas. Você tem o desejo de contar e ouvir histórias de vida de pessoas com mais de 60 …