13 de janeiro de 2017

Arte como terapia

“Trabalhos manuais ajudam a despertar os requisitos básicos de auto-estima. Além de ser uma forma de muitas pessoas serem inseridas na sociedade, estimula o sentimento de se sentir capaz e produtivo.” É o que afirma Glória Ferreira, terapeuta ocupacional.

É muito comum o idoso ter aquela sensação de não ser capaz de realizar nem pequenas tarefas por conta das limitações que a idade lhe impôs. Lembra-se com orgulho de quando dava conta de levar os filhos e depois os netos para a escola, arrumar a casa, cozinhar para a família toda, trabalhar fora. Depois ainda conta – com um toque de nostalgia – de quando ainda não precisava de ajuda para fazer sua própria comida ou cuidar da casa, de quando conseguia ir sozinho ao supermercado, hidroginástica ou à casa dos filhos – dirigindo seu carro, de ônibus ou a pé.

Aí vem a pergunta… E agora?
Muitos sentem-se incapazes – ou pior – inúteis, e um “peso” para seus familiares. Porém, mesmo ainda tendo capacidade para executar alguma atividade, acreditam que sempre terá alguém mais rápido ou que fará aquilo com mais perfeição, ou ainda que não consegue fazer mais nada mesmo.
Este sentimento é como um propulsor para a angústia, e depressão. Segundo Glória Ferreira, terapeuta citada no início deste texto “o simples fato de fazer algo já é tido como uma espécie de remédio contra a angústia de quem não se sente útil.”
Os benefícios para grupos de idosos que participam de qualquer atividade artística vão além e são muito mais valiosos do que executar um trabalho artístico.

Benefícios para o corpo e para a mente
Sentir-se pertencente a um grupo seria o primeiro deles e talvez um dos mais importantes. Isso inclui, ajudar o colega, compartilhar o trabalho realizado, aprender com os colegas, sugerir novas idéias.
Resgatar habilidades esquecidas, desenvolvendo um trabalho, mesmo que sem a mesma perfeição de antigamente.
Desenvolver o potencial criativo, realizando novas tarefas. Não é preciso pré-requisitos ou um dom específico para começar a praticar uma atividade artística.
Criar um objeto para presentear um familiar. É uma forma de dizer ao seu grupo: ‘Estou aqui e tenho algo a te oferecer!”
Também não podemos esquecer dos benefícios físicos relacionados às atividades artísticas, como: melhora da acuidade visual e auditiva, aumento da força muscular e coordenação motora fina, e desenvolvimento da percepção, atenção e memória.

Segundo Lenir Schambeck, em sua monografia – Arte Terapia na Terceira Idade, através da arte “uma vez ativadas as capacidades expressivas, sensibilidade e intuição, haverá mudanças na maneira de ver a vida, se forem orientados para novas formas de participação social. Exercitar a área de criação é estimular a vitalidade psíquica dos idosos.”
E continua: “O objetivo da arte-terapia não é a estética dos trabalhos, mas a recuperação da ´possibilidade de cada indivíduo criar livremente e com isso ativar seus núcleos sadios encontrando formas mais harmoniosas de se comunicar, relacionar e estar no mundo.”

Portanto, mãos à obra, queridos e criativos idosos! Vamos colocar as mãos na massa, na tinta, na agulha, na cola, no papel e mostrar ao mundo do que ainda somos capazes!

Referências:
Guia da Auto Estima www.minhavida.com.br
Arte Terapia na Terceira Idade : busca da felicidade, prazer, integração e promoção da saúde – Monografia de Lenir D. Schambeck – UNESC em 2004 para obtenção do Título em Especialista em Saúde Pública e Ação Comunitária.

Veja outros posts

19 de fevereiro de 2015

Depois do Carnaval

Na virada do ano é comum tomarmos aquela ou aquelas resoluções que vão tornar nossa vida muito melhor. Parece que enchemos nosso íntimo de força, coragem e determinação inabaláveis, pois …

13 de dezembro de 2016

Cuidados no verão

Muitos idosos se queixam do calor excessivo dessa época do ano. Problemas com a pressão, tonturas e sensação da mal estar são as principais reclamações desse público. Por isso, pedimos …

16 de maio de 2017

Labirintite

Para entendermos o que é a Labirintite temos que, primeiro, compreender o que é o labirinto. Diferente do labirinto que conhecemos, pela definição de “um conjunto de percursos intrincados criados …