12 de maio de 2015

ECONOMIA DE ÁGUA PARA GERAÇÕES FUTURAS

Nasci numa cidadezinha do interior, mas com quatro anos meus pais vieram com a família morar na capital.

Nossa casa era bem grande, com muitos quartos, já que a família era numerosa. O quintal da nossa casa poderia ser considerado nos dias de hoje, uma pequena chácara, onde tínhamos galinheiro, horta e um bosque onde corria um pequeno rio no final do terreno.

Brincávamos no rio sempre, tentando pegar pequenos peixinhos sem sucesso. E se nos atrevíamos a seguir suas margens, invadindo os terrenos dos vizinhos, chegávamos à sua nascente.
Surpresos, um dia ficamos sabendo que aquele pequeno rio fornecia água para boa parte da cidade.

O tempo passou… eu e meus irmãos casamos, a casa foi demolida e o grande terreno dividido. Por sorte me coube ficar com parte onde estava o rio. Meus filhos ainda brincaram de quem chegaria mais rápido para molhar os pés no rio, embora não encontrássemos mais peixinhos. E ali também construíram suas casas. Também não podiam mais chegar até a nascente , pois todos os terrenos em volta tinham grandes muros com lindas casas .

Um pouco mais tarde, ouvia meus netos dizerem : ” Vovó, vamos até o rio fedido?” Agora corria ali, uma água caudalosa, com mau cheiro, rodeada de insetos e até alguns roedores.
Um tempo depois, o “rio” foi canalizado, mas somente até um terreno baldio próximo, o que não diminuía o mau cheiro que sentíamos nos dias de calor.

Vejam, para mim quando eu era criança, aquela fonte de pureza e alegria parecia inesgotável. A minha preocupação era ZERO. Hoje, vejo meus netos preocupados em como poderão manter o que a natureza nos deu em abundância e que destruímos em nome do progresso.

Muitas escolas, alguns governos, instituições e empresas já trabalham verdadeiramente para preservar e reverter situações, emboras saibamos que muitos ainda não tem escrúpulos e se utilizam e destroem bens naturais para satisfazer seus ganhos imediatos sem pensar nas consequências desastrosas para as gerações futuras.

Mesmo na minha idade, acredito que estou fazendo a minha parte, contando esta história para vocês, tomando meu banho mais rápido, desligando a televisão quando não estou assistindo,utilizando água da chuva para algumas tarefas domésticas.
Afinal se cada um fizer sua parte, tudo poderá melhorar!

Veja outros posts

11 de novembro de 2014

Audição na terceira idade

O declínio da qualidade da audição na velhice é uma queixa muito comum e constante entre os idosos. O que muitos não sabem é que a perda da audição pode …

4 de julho de 2016

Causas da depressão e ansiedade em idosos: Como se prevenir?

Quadros depressivos são recorrentes em idosos em nossos dias. A depressão no momento da velhice se caracteriza como um estado de humor triste prolongado, que pode ser proveniente de perdas …

16 de novembro de 2017

O amor nos tempos da velhice

É com grande satisfação que disponibilizamos a você um trechinho do capítulo do livro “Amor, desejo e gozo” – “O amor nos tempos da velhice”, escrito pela psicóloga Dra. Regina …