10 de setembro de 2018

(In)dependência do Idoso

Já que o assunto deste mês é independência, vamos falar da independência dos nossos idosos? Tentaremos entender até onde ou até quando eles podem mantê-la, dentro de certa dependência que vem sendo gerada pelo envelhecimento, através de novas necessidades e algumas limitações.

Independência física

O corpo, com o passar dos anos, vai mostrando alguns sinais de que não conseguiremos fazer as mesmas coisas que fazíamos antes, nem com a mesma intensidade. Para isso, precisamos nos prevenir e, a prática regular de atividade física é a aliada principal para nos mantermos independentes ao envelhecer.

Com uma musculatura forte e o equilíbrio “em dia”, por exemplo, o idoso poderá ir ao mercado ou sair na rua com mais liberdade, sem ter que depender de alguém para acompanhá-lo. O importante é estar atento à segurança do local em que se pretende ir, principalmente em relação à acessibilidade do estabelecimento, como a existência de elevadores ou rampas, no lugar de escadas, que podem ser perigosas.

Independência psicológica

Algumas doenças como o Mal de Alzheimer e a depressão provocam altos graus de dependência dos idosos, normalmente em relação aos filhos. É sempre muito importante incentivar o idoso a realizar atividades diárias em casa, como lavar roupa, fazer o café, arrumar a cama, sempre respeitando o grau de limitação que ele apresenta. Uma boa estratégia é ter alguém para acompanhar suas atividades, que servirá como um “supervisor” e que poderá intervir – e ajudar ou assumir a tarefa – caso haja necessidade.

O acompanhamento médico, juntamente ao de outros profissionais como psicólogos e terapeutas ocupacionais, orientando filhos e cuidadores, são essenciais neste processo.

Resumindo…

O mais importante é tentar permitir que o idoso mantenha-se ativo, tanto física quanto mentalmente, mesmo que ele já apresente algumas limitações. Se o privarmos de realizar simples tarefas por medo de errar, ele se fechará cada vez mais e a tendência é que essa limitação – seja ela qual for – se agrave cada vez mais rápido, podendo gerar quadros de isolamento social e depressão, e até mesmo de demências, como o Alzheimer.

Lembre-se, um idoso ativo é um idoso feliz! Afinal de contas, bem estar não tem idade (:

Veja outros posts

2 de outubro de 2014

Afinal, como é ser idoso?

Pergunta que poderíamos fazer hoje no Brasil, para mais de 21 milhões de pessoas. Ouviríamos as mais diversas respostas. Algumas carregadas de sofrimento, frustrações,, arrependimentos, outras bem humoradas, repletas de …

29 de agosto de 2018

Saúde Mental no Idoso

Pedimos para a neuropsicóloga responsável pela Oficina de Memória na Vivere Bene, Patrícia Pegorer, responder a algumas dúvidas comuns quando se fala de memória e perda cognitiva: Perda de memória …

25 de março de 2015

Qual a melhor atividade física para o idoso?

Há quem diga que a hidroginástica é a atividade física ideal para um idoso… também há aqueles que acreditam que ela é a única que se deve praticar! Por outro …