20 de novembro de 2014

O Mal de Parkinson

A doença de Parkinson, mais conhecida como Mal de Parkinson foi diagnosticada, pela primeira vez, no início do século XIX. Por definição, trata-se de uma doença neurológica, que provoca degeneração lenta e progressiva das células do cérebro controladoras dos movimentos e do equilíbrio (Sayeg, 1991).

CAUSAS E SINTOMAS

Indivíduos de qualquer sexo, raça e etnia podem vir a apresentar os sintomas da doença, entretanto ela é mais comum entre pessoas com mais de 50 anos, e ainda mais expressiva em maiores de 65 anos. Sua causa não possui influência genética expressiva e pode ser influenciada pelo uso excessivo de determinados medicamentos – que inibem a produção da dopamina – e em decorrência de traumas cranianos ou isquemias cerebrais.

Seus principais sintomas são: tremores nas mãos, membros inferiores e na cabeça; falta de equilíbrio; enrijecimento muscular; lentidão na execução de movimentos; insônia; ansiedade e depressão; dificuldade na fala, escrita e olfato. Estes sintomas são decorrentes da morte das células neurais responsáveis pela produção da dopamina, cuja função é transmitir as correntes nervosas aos músculos do corpo.

TRATAMENTO MULTIDISCIPLINAR

Lembrando que a doença é progressiva e degenerativa, e não tem cura, o objetivo do tratamento é retardar a progressão da doença, proporcionando uma maior qualidade de vida para o parkinsoniano. Um aspecto bastante relevante no tratamento do Parkinson é a multidisciplinaridade. Deve-se se levar em consideração aspectos clínicos, psicológicos, terapêuticos, e nutricionais.

– Aspectos clínicos: aqui deve-se considerar ambas opções medicamentosas e cirúrgicas. Os medicamentos de uso contínuo devem ser adaptados com o médico responsável levando em conta interações medicamentosas e características individuais do paciente. Além disso, há um grande avanço nas técnicas cirúrgicas de implantação de marca-passo cerebral no Brasil, com resultados bastante expressivos.

– Aspectos psicológicos: por se tratar de uma doença degenerativa e sem cura, a ansiedade e depressão são companheiras fiéis do parkinsoniano. Um acompanhamento psicológico é muito indicado, principalmente no momento em que a doença é diagnosticada.

– Aspectos terapêuticos: fonoaudiólogos, fisioterapeutas e educadores físicos devem trabalhar em conjunto na estimulação de exercícios que venham a estimular as musculaturas prejudicadas pela falta da transmissão neural. Exercícios de fala, equilíbrio, cognição, coordenação, força e resistência muscular são todos benéficos ao paciente, sempre respeitando as limitações impostas por essa ou outras doenças.

– Aspectos nutricionais: a deglutição é afetada em estágios mais avançados do Parkinson dificultando a ingestão de alguns alimentos. Portanto, vale consultar um nutricionista para se informar sobre quais as melhores opções de alimentos e suplementos, se necessário.

O parkinsoniano precisa de informação, apoio familiar e tratamento multidisciplinar contínuo para que consiga manter hábitos de vida saudáveis e uma vida mais feliz!

Veja outros posts

15 de janeiro de 2015

Queremos Espaço

Aqui na Vivere Bene, convivemos com muitos filhos de idosos que se preocupam, e muito, com a saúde e o bem-estar de seus pais. Essa preocupação em lhes proporcionar o …

2 de outubro de 2014

Afinal, como é ser idoso?

Pergunta que poderíamos fazer hoje no Brasil, para mais de 21 milhões de pessoas. Ouviríamos as mais diversas respostas. Algumas carregadas de sofrimento, frustrações,, arrependimentos, outras bem humoradas, repletas de …

18 de abril de 2016

Você sabe quem foi Tiradentes?

Joaquim José da Silva Xavier, mais conhecido como Tiradentes, foi um dos principais líderes da Inconfidência Mineira, conspiração de natureza separatista, da então capitania de Minas Gerais, que ia contra …