16 de setembro de 2014

Pilates na Terceira Idade

Há uma série de dúvidas em relação a prática do pilates, em especial, na terceira idade. Preparamos algumas questões que esclarecem um pouco sobre o tema.

O que é o Pilates?

O Método Pilates consiste em exercícios físicos cuja característica principal é o trabalho resistido (força) e alongamento dinâmico. Os exercícios são regidos pelos seguintes princípios:

– Respiração, que deve ser profunda e compassada;
– Ativação do Power House, que é a contração da “casa de força” do nosso corpo (abdômen);
– Precisão e Controle, através da execução correta e coordenada dos movimentos;
– Fluidez dos movimentos, ou seja, depois de adquirir coordenação e controle dos exercícios, com a prática os alunos desenvolverão um ritmo e passarão de um exercício para outro sem interrupções;
– Concentração ao executar os movimentos, favorecendo a percepção corporal, melhorando assim a eficiência do método. O Pilates é conhecido também como um conjunto de “exercícios pensantes”, portanto envolve corpo e mente considerando-se uma unidade.

O idoso pode praticar Pilates?
O Pilates para a terceira idade traz inúmeros benefícios, tais como: melhora na flexibilidade, força muscular, equilíbrio e coordenação motora; oferece também reeducação postural e como conseqüência alívio das dores decorrentes da má postura corporal e dos desequilíbrios musculares; há redução do stress, e principalmente melhora na auto-estima do idoso, uma vez que ele consegue realizar uma série de exercícios que anteriormente não se julgava capaz.
A manutenção e/ou melhora dessas capacidades físicas são importantes para essa população, pois contribuem na realização das atividades do dia-a-dia do idoso como levantar-se da cama, vestir-se, se deslocar, que são atividades diárias básicas que, para idosos inativos fisicamente, se tornam intensas e com elevado grau de dificuldade.
O Pilates também contribui muito para a tomada de consciência corporal, trabalhando mente e corpo de maneira conjunta, pois exige coordenação, controle e concentração durante toda a aula. Dessa forma, o idoso passa a se perceber melhor, tanto mentalmente quando corporalmente, conhecendo suas limitações, seus avanços e suas possibilidades.

E as dores nas costas e articulações?
Um dos maiores benefícios está sob uma das queixas frequentes dessa faixa etária: as dores na coluna. Durante o processo do envelhecimento há uma série de alterações musculares e articulares que tendem a alterar a postura. Nesse caso, o Pilates vem agir ao fortalecer essa musculatura, passando a ser utilizada de maneira correta, economizando energia, e aliviando e reduzindo tais dores.
Além disso, trata-se de execução de exercícios de baixo impacto e pressão sobre as articulações. Ou seja, ocorre atuação sobre os músculos estabilizadores, eliminando assim a tensão e evitando as compensações, poupando as articulações. Esta característica favorece muito o alívio em dores causadas pelo excesso de peso e/ou lesões articulares, principalmente nos joelhos.

Quais os principais cuidados ao se trabalhar o Pilates com idosos?
Ao tratar do Pilates para a Terceira Idade é preciso pensar sobre: progressões, restrições e possibilidades. Muitos idosos chegam nessa fase da vida sedentários e com algumas limitações. Dessa forma, uma avaliação física inicial é fundamental para que o profissional possa desenvolver o treinamento adequado do Pilates para o idoso. Inicialmente, é importante que os idosos executem os exercícios de nível básico, enfatizando dois princípios básicos: respiração e “Power House”. Com o decorrer das sessões e conforme a progressão do aluno, o profissional poderá propor exercícios que exijam novos graus de dificuldade, sempre respeitando a sua condição física naquele momento, sendo necessário em alguns casos trazer algumas adaptações aos exercícios com o objetivo de fortalecer, alongar e melhorar a execução do movimento preparatório, para então iniciar o movimento completo.

Por estas características, médicos e fisioterapeutas tendem a indicar o Pilates como prática de atividade física, pois o método contribui de forma significativa na saúde física e mental do idoso. É um método que está em alta no mercado da atividade física e saúde e além de desenvolver força, flexibilidade e coordenação, traz menos riscos de lesões, pontos importantíssimos para essa faixa etária.

Gisele Antunes do Livramento – Profissional de Educação Física/ CREF:021019/PR

Veja outros posts

3 de março de 2016

Alzheimer e outras demências

O envelhecimento da população, como já discutimos no texto anterior deste blog, está em um caminho crescente. Junto à ele torna-se inevitável, a diminuição de algumas funções cognitivas de indivíduos …

26 de fevereiro de 2015

Idoso em Curitiba

Que o curitibano tem fama de antipático, todos sabemos… mas, afinal, merecemos essa fama? Alguns dizem que somos assim, frios e fechados, por reflexo do clima cinzento e chuvoso da …

6 de março de 2017

Dia da Mulher

Mulheres…. Muito se fala da modificação do papel das mulheres através dos tempos. E quanto mais o tempo passa, mais atribuições, qualidades, desejos e conquistas são empilhados sobre os ombros …