9 de junho de 2016

Pilates para idosos

Depois de responder a diversas, e muitas vezes comuns, dúvidas de alunos e filhos de alunos, sobre pra quem e para quê o Pilates é indicado, e também sobre as “diferenças” entre o Pilates solo e o Pilates de aparelho – e qual deles é “melhor” – decidimos pedir para que a nossa querida professora de Pilates, Gisele Antunes do Livramento (CREF 021019- G/PR), nos respondesse aqui algumas perguntas, esclarecendo assim o maior número de pessoas possível:

1) Mas a minha mãe tem 90 anos, ela pode fazer Pilates?

Gisele: O Pilates pode ser feito em qualquer idade, respeitando os limites físicos de cada pessoa. Por isso, no início da aula, pergunto se o idoso tem alguma dor, pra que se for necessário, eu possa adaptar algum exercício. O Pilates traz muitos benefícios até mesmo para pessoas mais idosas. Nós temos alunos que tem 90, 93 anos que fazem as aulas de Pilates há alguns anos aqui no Vivere Bene e adoram. Eu percebi melhoras na força e principalmente na flexibilidade, que são muito importantes pra uma vida independente e com qualidade. E elas sempre nos falam de como se sentem bem depois da aula e desde que começaram o Pilates.

2) O meu médico falou que o Pilates de aparelho é melhor, mas eu posso fazer o de solo?

Gisele: Ambos são bons. No Pilates de Aparelho se trabalha com uma estrutura que possuem molas. Essas molas podem servir como facilitadoras do movimento, como também oferecer certa resistência ao exercício. Isso vai depender da necessidade do idoso na aula e dos objetivos propostos pelo professor.
No Pilates de Solo, usamos o peso do próprio corpo como carga, isso exige do aluno concentração e controle do corpo, sendo os principais desafios para o idoso na execução do Pilates Solo, o equilíbrio e a atenção.
O método Pilates (aparelho ou solo) auxilia no controle e na consciência corporal, estimula fortalecimento e alongamento do corpo como um todo, auxilia na melhora da postura corporal, aliviando as dores e também melhora a capacidade cardiorrespiratória (coração e pulmão).

3) Eu não posso fazer Pilates solo por que eu não consigo deitar no chão…

Gisele: Aqui no Vivere Bene, muitos idosos que procuraram o Pilates Solo diziam que não conseguiam deitar e nem se levantar do chão. Então, a partir disso, desenvolvi um trabalho de Pilates na cadeira. Faço adaptações dos exercícios do Pilates Solo para serem executados sentados na cadeira. Tanto de fortalecimento, quanto de alongamento.
No decorrer das aulas, a medida que as turmas vão se desenvolvendo bem e tomando mais confiança, vou aumentando o nível de dificuldade. Algumas turmas que começaram o Pilates sentadas na cadeira, hoje conseguem fazer os exercícios sobre a bola suíça e também no chão. Tudo isso levou tempo e dedicação, já que busco sempre manter a segurança e a confiança do idoso, em primeiro lugar.

4) Qual a diferença das aulas de Pilates solo e de Ginástica Funcional da Vivere Bene?

Gisele: A Ginástica Funcional da Vivere Bene é baseada em duas etapas, a primeira foca no aeróbio, dançando e se movimentando no ritmo da música e a segunda são os exercícios de força. Estes exercícios são selecionados, podendo ser usados pesinhos, caneleiras e outros materiais, e são realizadas algumas repetições por séries. O objetivo principal desta etapa é o fortalecimento muscular.
O Pilates não trabalha tanto o aeróbio, comparado à ginástica funcional. Está é principal diferença. Ele dá ênfase ao alongamento geral e específico e no fortalecimento muscular, usando o peso do corpo. A escolha entre um e outro vai depender do gosto pessoal do idoso e das limitações que ele possui. Se, de repente, o idoso quer fazer algo que estimule mais o condicionamento cardiorrespiratório, indica-se a ginástica funcional; se quer fazer algo mais voltado pra controle corporal, alongamento e fortalecimento, indica-se o Pilates.

5) Se eu tenho um problema de coluna, eu posso fazer o Pilates de solo?

Gisele: Sim, pode fazer Pilates, desde que tenha liberação do seu médico pra esta atividade. O Pilates é uma técnica reconhecida atualmente para prevenção e tratamento de problemas na coluna. Este método ajuda muito a aliviar as dores de coluna, porque exige do aluno boa postura, trabalhando fortalecimento e alongamento dos músculos das costas. Como são exercícios realizados de forma calma, acompanhando a respiração, sugiro sempre ao idoso que faça o exercício sem ultrapassar seu limite pessoal de dor ou desconforto. Além disso, é sempre bom o idoso manter uma rotina de exames, tanto para controle, quanto como forma de avaliação da melhora que o Pilates tem oferecido ao corpo.

6) Eu tenho incontinência urinária e dizem que o Pilates ajuda neste problema, é verdade?

Gisele: É verdade sim! Nas aulas de Pilates exijo das alunas sempre: contração de abdômen juntamente com a contração dos músculos que “seguram o xixi” (assoalho pélvico – períneo). Essa coordenação de contrair ambos, através da respiração, ajuda o idoso a ter maior controle sobre a bexiga e dos músculos ao redor do aparelho urinário, ajudando a segurar a urina por mais tempo, evitando a incontinência.
Algumas das idosas que fazem Pilates disseram que neste aspecto, as aulas, foram muito boas, tanto nos períodos da noite, que se levantam bastante pra ir ao banheiro, como durante o dia, nas atividades rotineiras.

Esperamos assim ter ajudado você a entender um pouquinho mais sobre o Pilates e seus benefícios, para todas as idades! Afinal, bem estar não tem idade (:

Veja outros posts

6 de março de 2015

Revolução da Mulher Idosa

Diante de alguns exageros de feministas extremas que reivindicam mais direitos e apelam para o reconhecimento das mulheres como pessoas competentes e capazes, deveríamos voltar no tempo e observar como …

7 de outubro de 2014

Um sábado em família: confira como foi o evento no último sábado

Aconteceu no último sábado o nosso primeiro encontro em família. O propósito desse evento é reunir a família de todos os idosos que frequentam a Vivere Bene e abrir o …

17 de agosto de 2015

DICAS PARA A BAIXA UMIDADE DO AR

A baixa umidade do ar exige alguns cuidados especiais, principalmente no período de inverno, estação em que normalmente nossos organismos ficam com menor imunidade. As temperaturas mais baixas do inverno, …