13 de julho de 2017

Saúde Auditiva

A audição é essencial em nossas vidas, desempenhando um papel fundamental na comunicação humana. É através dela que conseguimos perceber os sons do ambiente e os sons da fala. O som é capaz de proporcionar e modificar as emoções e esta tem um papel fundamental nos relacionamentos, na saúde e na qualidade de vida. Os problemas com a audição podem levar a sentimentos de depressão e, em alguns casos até ao isolamento social. A nossa audição fornece uma grande fonte de informações, algumas delas óbvias, outras quase imperceptíveis, e quando combinadas, estas informações são o elo entre o mundo e a forma como interagimos com ele. A audição nos ajuda a conduzir a nossa vida diária sem limitações.

A orelha, apesar de seu tamanho pequeno, é um órgão altamente complexo e composto por minúsculas células sensoriais e fibras nervosas que captam as vibrações do som e os transformam em impulsos elétricos para o que o cérebro possa processar em informação sonora. O cérebro, por sua vez, é o responsável por interpretar essa informação recebida (dar sentido a esses sons), facilitando assim a compreensão da fala sem esforço de escuta. Caso as orelhas fiquem expostas a fortes vibrações por um longo período de tempo, as células auditivas podem ser danificadas ocasionando assim, uma perda auditiva.

A perda auditiva se caracteriza como sendo uma dificuldade na capacidade de ouvir os sons. Em geral acontece uma diminuição da capacidade auditiva, além da redução da percepção sonora e, dificuldades com a localização dos sons e com a compreensão da fala. Normalmente o indivíduo passa a ter problemas na compreensão das informações como um todo durante as conversas, ao ouvir música, ao falar ao telefone, para assistir TV, entre outras situações.

Nos idosos é muito comum a Presbiacusia, que é a perda auditiva decorrente do envelhecimento natural das células. Isso pode proporcionar ao idoso dificuldades na comunicação em geral, além de prejuízos para saber de onde vem os sons, entender esses sons com clareza, problemas para ver TV, atender ao telefone, dentre outros.

Então fique alerta se você:
– Constantemente pensa ou fala: “Eu ouço, mas não entendo o que as pessoas falam. ”
– Coloca a TV ou o rádio em volume mais alto do que as outras pessoas de seu círculo familiar.
– Tem dificuldades em entender conversas com ruídos ao fundo, como por exemplo em um jantar de família.
– Não consegue acompanhar conversas em grupo.
– Sempre pede aos outros para repetirem o que estão falando.
– Tem amigos ou familiares que dizem que você não está ouvindo bem.

Procure ajuda de profissionais especializados como os Otorrinolaringologistas e os Fonoaudiólogos que podem ajudar a diagnosticar a tratar a sua condição auditiva. Preparamos algumas dicas úteis para ajudá-lo na comunicação:
– Falar próximo ao deficiente auditivo facilita o entendimento da frase;
– Sempre que possível repita o que foi falado de forma pausada e articulada;
– Gritar dificulta a compreensão e o reconhecimento de fala além de causar distorção nesses sons;
– Use gestos representativos e indicativos;
– Mímicas e expressões faciais ajudam a completar a mensagem;
– Sempre que possível, prefira locais mais calmos para as conversas.

Texto escrito por Jamile Cabral, Fonoaudióloga da empresa Telex – Soluções Auditivas – unidade Batel, especialmente para o nosso blog.

Veja outros posts

5 de outubro de 2016

A minha história com idosos

Eu não conheci os meus avôs. Minhas avós morreram enquanto eu ainda era nova, então não tive a oportunidade de conviver com um idoso no meu “dia a dia”. Mas …

11 de junho de 2015

DIA DOS NAMORADOS

O amor, ah o amor! Acho muito interessante a forma como o amor evolui dentro das nossas mentes e dos nossos corações… No início de um relacionamento tudo é maravilhoso. …

8 de outubro de 2014

DEPRESSÃO NA TERCEIRA IDADE: COMO FUGIR?

A depressão é um quadro comum na terceira idade, principalmente entre as mulheres. Muitos fatores contribuem para que o idoso seja suscetível a desenvolver um quadro depressivo. Dentre eles, as mudanças sociais, …