26 de setembro de 2016

Estimulação Cognitiva

O cérebro também precisa de treino
Nosso corpo precisa de exercícios físicos para se manter saudável e isso não é novidade, certo? Com o cérebro não é diferente, ele também precisa de “ginástica” para se manter ativo e aberto a novos conhecimentos. Durante as atividades de treino cognitivo são trabalhadas diversas funções, entre as quais, a memória, a atenção, a velocidade de processamento, a percepção visual e, no caso das atividades em grupo, também a sociabilização.
Treinar a mente é uma atividade relevante em diferentes estágios da vida, em especial durante o envelhecimento:

> No envelhecimento saudável:
Estudos realizados em diferentes universidades do mundo demonstram que é possível compensar os déficits cognitivos por meio de treino, aumentando o desempenho e a manutenção das habilidades cognitivas nos idosos.
– Apresentar uma boa funcionalidade cognitiva é importante para um envelhecimento ativo e maior longevidade;
– Preservar a capacidade de desempenhar atividades de vida diária e instrumentais de forma autônoma (banho, medicação, alimentação, finanças, locomoção);
– Aprender algo novo e, com isso, manter o cérebro ativo;
– Otimizar o desempenho cognitivo e as habilidades preservadas.

> Nas demências:
Quadros de demência, a exemplo da Doença de Alzheimer, são processos neurodegenerativos e progressivos, ou seja, não têm cura. No entanto, o treino cognitivo na fase inicial pode reduzir a velocidade do progresso da doença e melhorar significativamente a qualidade de vida do idoso e da família, ao ensinar estratégias visando a melhor adaptação ao dia a dia.
– Preservar a autonomia do idoso pelo máximo tempo possível;
– Manter o idoso orientado quanto à sua história pessoal (dados biográficos) e preservar a noção tempo-espacial (dia, mês, ano, cidade, bairro, endereço);
– Ensinar estratégias compensatórias (uso de agendas, sinalizações em casa, calendários, alarmes)
– Manter o idoso conectado com seu entorno e ativo socialmente;
– Estimular o interesse em atividades que exercitem a memória, atenção, velocidade de processamento, percepção visual.
– As atividades em grupo podem ser benéficas para a preservação do contato social ajudando a evitar o isolamento e a depressão.

Oficina da Memória – Vivere Bene
O trabalho realizado durante as Oficinas de Memória na Vivere Bene consiste em uma estimulação cognitiva com atividades diversas planejadas para grupos de idosos. O grande propósito é criar um ambiente de estímulo das funções cognitivas e convivência social. A oficina não vai impedir o aparecimento ou progresso de uma doença em curso, mas favorece um envelhecimento saudável e tem benefícios além da cognição: social, autoestima, iniciativa. Havendo suspeita de quadros de demência, recomenda-se que, além da participação nas oficinas coletivas, o idoso passe por avaliação e acompanhamento médico e neuropsicológico individualizado.

—- Patrícia Alves Ribeiro Pegorer é Psicóloga pela PUC-PR e especialista em Reabilitação Neuropsicológica pela Universidade de São Paulo. Atende em consultório, a domicílio e na Vivere Bene com a Oficina da Memória.

Veja outros posts

13 de março de 2017

Idoso em Curitiba

Seja para um morador da cidade ou um turista, Curitiba oferece muitas opções para pessoas idosas que queiram se distrair, se exercitar ou apenas apreciar belas paisagens. Além de suas …

25 de abril de 2016

Dicas naturais para baixar a pressão arterial

Você está entre o um em cada três adultos que têm uma pressão arterial elevada? Se assim for, tomar a sua medicação prescrita todos os dias é de vital importância …

23 de setembro de 2014

Por uma família vintage

Por muito tempo utilizei a frase “no meu tempo”. Ela me faz sentir mais velho, pode ser antiga, mas diante das minhas reflexões não são em nada antiquadas. Lembro do …