19 de novembro de 2018

Quedas na terceira idade

O envelhecimento da população no Brasil e no mundo vem sofrendo uma crescente constante. Em 2005 a população idosa compunha menos de 10% da população, passando para quase 15% em 2015 e, segundo dados do IBGE em 2050, a população idosa ultrapassará os 22,71% da população total.

Dentre os problemas de saúde associados ao envelhecimento, a ocorrência de quedas é uma das mais preocupantes, pois suas consequências podem prejudicar muito a qualidade de vida do idoso, normalmente resultando em fraturas graves.

Índices de quedas

Pesquisas apontam que 1 em cada 3 pessoas com mais de 65 anos já sofreram um episódio de queda, e esse índice aumenta para aproximadamente 40% entre os “mais velhos”, com idade acima de 75 anos.

Ainda segundo dados de uma pesquisa da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG), realizado em 2008, depois do primeiro episódio de queda, o idoso apresenta risco mais elevado para cair novamente, entre 60% e 70% no ano subsequente.

O mesmo estudo aponta que idosos mais saudáveis caem menos, cerca de 15% em um ano, comparativamente aos asilados, cujo porcentual sobe até 50%.

Porque elas acontecem?

Conforme envelhecemos, passamos por algumas alterações fisiológicas, tais como: diminuição da massa muscular, artroses, osteoporose, diminuição da acuidade visual, tonturas e vertigens, e estes fatores e sintomas estão diretamente ligados à falta de equilíbrio e consequentemente, à ocorrência de quedas.

Além disso, doenças como Parkinson e sequelas de AVC (acidente vasculares cerebrais) também podem afetar diretamente no equilíbrio, favorecendo a ocorrência de quedas.

Como se prevenir

  • Participe de um programa de exercícios de força e equilíbrio
    • A prática de uma atividade física regular traz inúmeros benefícios e, quando se trata de melhora no equilíbrio, não é diferente. Exercícios de fortalecimento e de alongamento da musculatura do tronco e dos membros inferiores favorecem na melhora postural e consequentemente no centro de equilíbrio, dificultando a possibilidade de quedas.
  • Analise e adapte o mobiliário da sua casa
    • Tome cuidado com pisos lisos, como os de cozinha e banheiro, mantendo-os sempre secos e, se necessário, aplique faixas antiderrapantes onde achar necessário. Nos banheiros é indicado colocar barras tanto dentro do box, quanto na parede em frente ao vaso sanitário, para facilitar os deslocamentos. Na sala e quartos, retire os tapetes que podem provocar tropeções e consequentes quedas. Se tiver escadas em casa, sempre utilize o corrimão, tanto para descer quanto pra subir.
  • Consulte-se com seu médico regularmente
    • Peça para seu médico analisar TODOS os medicamentos que você toma diariamente. Ele poderá entrar em contato com os outros médicos para verificar a possibilidade de uma redução na quantidade dos medicamentos. Muitas vezes a interação medicamentosa entre dois ou mais componentes pode resultar em efeitos colaterais como desequilíbrio, tonturas e vertigens, contribuindo para uma possível queda.

Lembre-se, a prevenção é sempre a melhor opção. Tomando esse cuidados você pode evitar uma futura queda mantendo assim uma velhice saudável e ativa! Afinal de contas, bem estar não tem idade!

Veja outros posts

26 de setembro de 2016

Estimulação Cognitiva

O cérebro também precisa de treino Nosso corpo precisa de exercícios físicos para se manter saudável e isso não é novidade, certo? Com o cérebro não é diferente, ele também …

23 de outubro de 2014

Idoso e a internet: dicas para acessar na terceira idade

Segundo dados do IBGE, o uso da internet por pessoas com mais de 50 anos aumentou consideravelmente, entre 2005 e 2011. Um aumento de mais de 200% no acesso à …

18 de abril de 2016

Você sabe quem foi Tiradentes?

Joaquim José da Silva Xavier, mais conhecido como Tiradentes, foi um dos principais líderes da Inconfidência Mineira, conspiração de natureza separatista, da então capitania de Minas Gerais, que ia contra …