17 de abril de 2019

A importância da convivência na terceira idade: como reinserir o idoso socialmente.

O ser humano vive de relacionamentos. Desde o início da vida aprendemos a conviver com outros e, no decorrer da vida, aumentamos essa variedade de conexões pessoais em nosso dia a dia. Como quando bebês, por exemplo, somos levados à escolinha para poder conviver com “outros” bebês além, é claro, da convivência habitual com nossa família e seus amigos. A medida que crescemos, vamos diversificando essas fontes de convivência e, na vida adulta construímos diversas círculos de convivência: no trabalho, na família, na academia, na igreja, entre outros inúmeros ambientes que frequentamos. Mas, infelizmente, quando envelhecemos, a tendência é irmos diminuindo cada vez mais o nosso ciclo social e, consequentemente, acabamos nos isolando socialmente.

A convivência na terceira idade

A aposentadoria representa o primeiro ciclo social a ser perdido na terceira idade. Ao se aposentar, o idoso corta da sua “lista” o convívio profissional. Ele pode até continuar se encontrando com alguns ex-colegas de trabalho, mas aquele convívio diário não existe mais.

Outra questão que favorece ao isolamento durante o envelhecimento, são as perdas. Ao envelhecermos, temos em nosso ciclo de convivência amigos e familiares de mesma idade, que podem vir a falecer antes de nós, e com isso vamos “perdendo” pessoas… é o ciclo natural da vida, mas que contribui para o processo de isolamento social do idoso.

Um fator relevante em relação ao isolamento social e pouco discutido, são as políticas públicas que envolvem o dia a dia do idoso. A falta de estrutura física, como calçadas e rampas de acesso, junto à escassez de segurança para o idoso sair sozinho, faz com que ele vá ficando cada vez mais tempo em casa, fisicamente isolado.

Como evitar o isolamento e a solidão do idoso

Preparamos algumas dicas de como não deixar o seu idoso se isolar e ficar em casa o dia todo sem conversar com ninguém:

  • logo que se aposentar, procure algo para se “ocupar”, seja um trabalho voluntário, uma academia, um neto para ajudar a cuidar, algo que ocupe tempo e exija certo grau de comprometimento;
  • busque grupos que pratiquem atividades de interesse comum: vale grupo de coral de igreja, oficinas cognitivas de espaços de convivência, ou um bate papo nas mesas de cafés do centro da cidade;
  • aproxime-se dos ciclos existentes, seja a família ou o grupo de ex-colegas de trabalho. Sempre há um interesse comum e coisas legais a serem relembradas que foram vividas juntos;
  • caso já exista o isolamento, existem profissionais e espaços dedicados exclusivamente para ajudar o idoso a se reinserir socialmente, não deixe passar mais tempo e procure ajuda (:

“Devemos despertar o sentido civil da gratidão, do apreço, da hospitalidade, capaz de fazer com que o idoso se sinta parte viva da comunidade.” – Papa Francisco (23 de outubro de 2018).

Veja outros posts

13 de dezembro de 2016

Cuidados no verão

Muitos idosos se queixam do calor excessivo dessa época do ano. Problemas com a pressão, tonturas e sensação da mal estar são as principais reclamações desse público. Por isso, pedimos …

12 de julho de 2016

Ginástica Funcional para idosos

A ginástica funcional é um tipo de atividade física realizada sem aparelhos convencionais de academia, que utiliza como carga principal, o próprio peso corporal. Como o nome mesmo já diz, …

25 de abril de 2016

Dicas naturais para baixar a pressão arterial

Você está entre o um em cada três adultos que têm uma pressão arterial elevada? Se assim for, tomar a sua medicação prescrita todos os dias é de vital importância …