25 de outubro de 2017

Dor ciática

Sabemos que o envelhecimento vem acompanhado de certas “dores” indesejadas…
A dor ciática, ou dor no nervo ciático, é uma das mais comuns entre os idosos. Isso acontece porque, com o passar do tempo, a coluna vertebral acaba sofrendo desgastes que podem comprometer a postura e provocar o pinçamento do nervo.

Um pouco de fisiologia…
Nosso corpo é composto por diversos sistemas, como por exemplo, o muscular e o nervoso que juntos trabalham para que possamos nos movimentar.
Os nervos são estruturas do sistema nervoso – como o nome mesmo sugere – e são responsáveis pela transmissão dos impulsos elétricos nervosos.

O nervo ciático
O nervo ciático é considerado o maior do corpo humano, estendendo-se desde a face posterior do quadril, descendo por trás da coxa e dos joelhos até alcançar o dedo maior do pé, ou seja, vai desde a coluna lombar até a ponta dos pés.
Ele é responsável em grande parte pela inervação sensitiva, motora e das articulações dos membros inferiores e, por isso é tão suscetível à inflamações, pinçamentos ou compressões, que podem vir a causar a dor.

A dor ciática
Também conhecida como “ciatalgia”, a dor ciática normalmente é resultado de uma irritação, compressão ou inflamação de uma ou mais raízes nervosas do nervo.
Disfunções posturais, como hérnias de disco, são uma das principais causas da dor, pois acabam por pinçar o nervo e, por mais que este ocorra mais próximo à coluna lombar, por se tratar de um nervo – que funciona como um fio elétrico que manda impulsos por todo o seu trajeto – a dor pode aparecer na extensão do membro inferior.
Os sintomas mais comuns são a perda da sensibilidade, a falta de força muscular, formigamento e dores que irradiam da coluna lombar para a região posterior da coxa ou da perna.

Prevenção e tratamento
É importante identificar a causa da dor antes de tomar qualquer providência, portanto, em momentos de crise aguda, faça repouso e consulte imediatamente um médico ou fisioterapeuta, assim, muito provavelmente será indicado a ingestão de medicamentos para a dor e inflamação e exercícios de relaxamento e alongamento.
Passado o período de dor aguda, retome suas atividades diárias e procure a orientação de um profissional de Educação Física que possa oferecer um programa de exercícios adequado.
Caminhadas, exercícios de alongamento de membros inferiores e da coluna, bem como o fortalecimento da musculatura abdominal, são excelentes para prevenir de novas crises de dor.

Veja outros posts

5 de novembro de 2014

Dívida e o idoso

Hoje a oferta de crédito para o idoso é um tema em alta na grande mídia. Todos os dias há uma enxurrada de anúncios em jornais, revistas e na televisão. …

6 de setembro de 2016

Aprendendo um novo idioma

Todos sabemos que idosos adoram reviver bons momentos vivenciados ao longo de suas vidas, em especial as boas lembranças da infância. E é nessa época que descobrimos e aprendemos a …

10 de abril de 2017

A Páscoa presente em todos os nossos dias

Páscoa significa passagem, renascimento. Então, porque não tentarmos renascer todos os dias? Podemos fazer uma analogia, afirmando que durante a vida toda, fazemos passagem de um estado de menos sabedoria …